Flávio Dino (PCdoB) falou sobre a delação com o repórter Alex Barbosa da TV Mirante Flávio Dino (PCdoB) falou sobre a delação com o repórter Alex Barbosa da TV Mirante Foto: Reprodução/Tv Mirante

Delator diz que se reuniu com Flávio Dino e combinou caixa 2

Avalie este item
(0 votos)

O ex-executivo da Odebrecht, José de Carvalho Filho, confirmou em delação premiada ao Ministério Público Federal que efetuou o pagamento de propina a Flávio Dino (PCdoB) na campanha eleitoral de 2010 para o governo do Maranhão. O delator foi categórico quanto à forma como foi feito o pagamento: “foi caixa 2”.

A delação é uma das que embasaram os pedidos de inquéritos da Lava Jato ao Supremo Tribunal Federal (STF) – a chamada "lista de Fachin". Informações sobre pessoas que não têm foro privilegiado foram repassadas a outras instâncias do Judiciário. No caso de Dino, o ministro encaminhou o pedido de abertura de inquérito ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

José de Carvalho Filho confirmou ainda que entregouuma senha nas mãos de Flávio Dino, em local escolhido pelo comunista, e que o pagamento foi efetuado pela Odebrecht para a sua campanha ao Governo do Estado do Maranhão. A operação foi realizada pelo setor de operações estruturadas e registrada no sistema "Drousys".

O delator da Odebrecht diz no depoimento que conheceu Flávio Dino quando ele ainda era deputado federal e que procurou Dino para dar sugestões sobre um projeto de lei que facilitava a atuação de empresas brasileiras em Cuba.

“Ele não fez qualquer questionamento ou condicionamento, ao contrário, ele quando foi candidato e teve que se descompatibilizar, ele comprometido com o Projeto (de Lei) que se referia a Cuba e ao estado brasileiro ele indicou outro deputado do seu partido para dar continuidade ao processo, Chico Lopes, do PCdoB” afirmou durante delação.

Durante depoimento, José de Carvalho disse que em 2014, Flávio Dino também recebeu dinheiro da Odebrecht, desta vez de forma legal. “Ele (Dino) demonstra em 2014 a vontade de ser candidato ao governo do Maranhão e me solicita ajuda. Falo com a mesma pessoa, João Pacífico, que dessa vez faz de forma, tenho o recibo aqui, de forma legal, né?”.

O governador Flávio Dino falou sobre as denúncias feitas pelo ex-executivo da Odebrecht. “Ele não diz que dia, quando, onde, quem recebeu e quem passou. Diz que recebi esse recurso em razão de um Projeto de Lei da Câmara e que eu seria o relato. Eu não fui efetivamente relator, ou seja, não apresentei parecer nesse projeto, não recebi senha e nem recebi dinheiro. Tenho convicção que a verdade e a Justiça vão prevalecer muito rapidamente e esse caso vai ser esclarecido, porque bem o Maranhão sabe, o Brasil sabe, que tenho uma vida limpa e honrada e ela continua assim” afirmou.

Dino confirmou ter recebido doação para a campanha de 2014, mas garantiu ter sido uma operação legal e amparada na lei. “Houve uma doação, legal, com recibo, declarada devidamente nos termos da lei. O que houve de fato foi o fiel cumprimento da lei e jamais - aliás, o próprio delator diz isso - houve troca de favores, toma lá, dá cá. Eu nunca fiz isso, nem com essa empresa e nem com qualquer outra empresa, por isso as denúncias são falsas”.

O Supremo Tribunal Federal (STF) liberou nesta quarta-feira (12), vários HDs com os vídeos de todos os depoimentos de delatores no âmbito da Operação Lava Jato.

Senador Edison Lobão
O pedido de abertura de inquérito contra o senador Edison Lobão (PMDB) solicitado pelo Ministério Público Federal teve como base a delação do ex-presidente da "Odebrecht Energia", Henrique Valladares. Ele diz que a empreiteira pagou R$ 5,5 milhões a Lobão pra aprovação de um projeto pra construção de duas usinas em Rondônia, quando o senador era ministro de Minas e Energia.

"Ele sinalizava que iria nos ajudar e que precisava da nossa ajuda. Tô falando de propina. Marcelo (Odebrecht) acreditou nisso. Eu não sei de onde surgiu esse número, não me lembro e, sem que ele entregasse nada, simplesmente para que ele fizesse o esforço de, usando os nossos argumentos que eram verdadeiros e absolutamente legais, ele criasse um contra – ponto na Casa Civil. Para isso surgiu o pagamento de 5,5 milhões. Com certeza, caixa 2".

Em nota, a assessoria de Edison Lobão disse que a defesa do senador repudia mais uma vez o reiterado vazamento de informações sigilosas e esclarece que está buscando o devido acesso legítimo e oficial aos documentos do processo perante o STF.

Ulisses e José Reinaldo
O deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) e o advogado Ulisses César Martins de Sousa também foram citados nas delações de ex-executivos da Odebrecht. Em depoimento, os delatores disseram que Ulisses, que na época procurador-geral do Maranhão, no governo de José Reinaldo, teria pedido vantagem indevida para facilitar o pagamento de valores devido à empresa decorrentes de contrato administrativo.

O advogado Ulisses César Martins afirmou que só vai se pronunciar depois de ler o inquérito. O deputado federal José Reinaldo Tavares disse que foi citado pela suposta conduta de um auxiliar seu, quando exerceu o cargo de governador do Maranhão. Afirmou ainda estar tranquilo, confiante na justiça brasileira, e convicto de que a apuração demonstrará sua inocência.

Fonte: G1MA

Lido 359 vezes Última modificação em Última modificação em Abril 15 2017
Banner Direita 1
Banner Direita 5

Compartilhe

Subscribe RSS Feeds
Email

Instagram

Posts recentes no Twitter

Assine BaraoNet

Certifique-se de que você não perderá as últimas notícias e informações do portal BaraoNet. Registre-se em nosso e-mail newsletter gratuitamente e não perca nenhuma informação sobre o que acontece na região, no Brasil e no mundo.